domingo, 1 de janeiro de 2017

Os melhores filmes que eu vi em 2016

Como de praxe dos últimos anos, divulgo aqui minha lista dos filmes vistos com suas respectivas cotações. Em conjunto, segue a lista dos melhores filmes com estreias comercias em 2016. Foram 212 filmes vistos, um número que já considero baixo para um cinéfilo em formação. Apesar disso, algumas das produções vistas foram incrivelmente ótimas que o número bruto torna-se secundário frente a qualidade. Segue a lista dos 10 melhores (em ordem crescente de preferência).

 Top 10


10. Fogo no mar (Gianfranco Rosi, IT)
Um mosaico acerca do drama dos refugiados. De quebra, um exemplar que rememora o melhor do realismo italiano.








9. O filho de Saul  (László Melis, HU)
A secura e o distanciamento é proposital. Mas o massacre também foi. O filme húngaro não induz a lágrimas, mas nos recorda (outra vez) as monstruosidades aplicadas aos judeus durante a segunda guerra mundial.










8. Elle (Paul Verhoeven, FR)
Verhoven dirige Isabelle Huppert esplendidamente. Uma certa ambiguidade entregue ao filme torna-o ainda mais importante.






7. As montanhas se separam (Jia Zhangke, CHN)
Embalado por "Go West" (Pet Shop Boys), a cena final da produção do chinês Jia Zhangke é uma das coisas mais belas de 2016. Felizmente é mais que isso. Muito embora algumas derrapadas evidentes, o filme se sustenta através da humanidade entregue aos personagens. Belíssimo!
 

 
6. Star Wars - Rogue One (Gareth Edwards, USA)
Minha primeira reação, ao término do filme, foi elogiar a correta e corajosa decisão dada aos destinos dos personagens. Se Hollywood não costuma fazer mais disso é porque não confia ao público mais audácia que ele merece. Um pequeno clássico surge numa franquia até então oscilante.




5. O lamento (Na Hong-jin, KR)
No cinema não existe sangue, existe vermelho. Jean-Luc Godard estava certo quanto a isso. Mas arrisco-me a dizer que a mentira do cinema é, algumas vezes, mais saborosa que as mentias supersticiosas que o mundo acredita. "O lamento" é uma doce celebração de tudo isso.





4. Big Jato (Cláudio Assis, BR)
Assis mais ponderado, mas não menos talentoso. Digno de nota: Matheus Nachtergaele num papel duplo que permanece na memória após semanas de vê-lo.







 

3. Os oito odiados (Quentin Tarantino, USA)
Se bem entendi Glauber Rocha, no cinema basta uma ideia na cabeça e uma câmara na mão. Nem sempre, responderia Tarantino. O cinema pensado, construido numa atmosfera de crescente mosaico psicológico, precisa mais que isso. Para Tarantino precisa de uma câmara 70 mm que só mestres operam.








2. A chegada (Denis Villeneuve, USA)
Com uma ideia relativamente simples, e um tanto cientificamente inacurada, o canadense Villenuve mostra outra vez seu talento para agradar tanto a plateia exigente quanto ao cinéfilo de blockbuster. E veja, nada contra estes últimos. Uma dádiva que eles existam.







 


1. Aquarius (Kléber Mendonça Filho, BR)
Apesar das safadezas políticas extra-fílmicas envoltas (por ex., "filme manifesto da resistência do governo golpista" - WTF!?!), "Aquarius" é um grande projeto que agrada pelas suas qualidades intrínsecas enquanto ótimo filme. E nada surpreendente diante o contexto da excelente produção nacional dos últimos anos.




 Menção Honrosa

Ao menos dois filmes são dignos de lembrança: O nacional "BR 716" e  o independente americano "Sala verde".

Os piores
Quando a expressão "filme ruim" é eufemismo de horror. Não enquanto gênero, mas enquanto falência artística. Ao menos são divertidos em algum sentido (e cinematograficamente didático em vários).

Star Trek: Sem Fronteiras
Pessoal da Enterprise brincando de James Bond. Uma glorificação da chatice universal.


Independence Day: O Ressurgimento
Curioso este subtítulo. Há coisas que não devem ressurgir. Mas o intento é instrumental, e tem nome e sobrenome:  dólares fáceis para os cofres das grandes produtoras. E que bom que assim seja. A máquina roda dessa forma.


Invocação do mal 2

Um terror cômico. Ao menos poderia ser mais honesto e mudar o título. Nada é mais grotesco que expulsar o que havia de originalidade e encher linguiça com inaninades cansativas.

Invasão zumbi
Tenho me tornado um fã do cinema sul-coreano. Produções sensacionais. Mas é natural que quanto mais vemos aumenta-se a chance de aparecer bombas orientais. Eis uma que, ao que parece, deseja-se transformar os espectadores em zumbis.

Segue a lista de todos os filmes vistos em 2016
* péssimo
** regular
*** bom
**** ótimo
***** obra-prima
 
1 O ano mais violento *****
2 A visita **
3 Mustang ***
4 Um amor a cada equina ***
5 Spotligh - segredos revelados ****
6 Todos os homens do presidente *****
7 Os 12 macacos ****
8 O menino e seu cachorro **
9 Alien 3 ***
10 The image ***
11 Into Eternity ***
12 Shock ***
13 Antiviral ***
14 A assassina ***
15 Star Wars: o despertar da força ****
16 Os oito odiados ****
17 Blind ***
18 Triângulo do medo ***
19 Essa pequena é uma parada *****
20 O convidado trapalhão ****
21 Reviravolta ****
22 A garota dinamarquesa ****
23 O outro lado da rua ***
24 Ainda estamos aqui **
25 Lolita *****
26 Lolita **
27 Mach Point ****
28 O enigma do outro mundo *****
29 Deu a louca nos nazis *
30 O voo ***
31 Quando um homem ama uma mulher ***
32 Cosmópolis ***
33 O regresso ***
34 Nostalgia *****
35 Bird People ***
36 Deus sabe quanto amei ****
37 As sugragistas ***
38 As pontes de Toko-Ri ***
39 Faces ****
40 A face de um outro *****
41 Manufacturing Consent ***
42 A mulher da areia ****
43 The war game ****
44 Educação ***
45 O quarto de Jack ***
46 A visita ***
47 A maior história de todos os tempos ***
48 Boa noite, mamãe ***
49 Hanzo The Razor - Sword Of Justice ***
50 Rua Cloverfield, 10 ***
51 Felizes juntos ***
52 Uma ponte lnge demais ****
53 Kill List ****
54 Cognition **
55 Blade Runner *****
56 O homem de palha **
57 Diários de uma paixão ***
58 Conspiração ***
59 Azyllo Muito Louco ***
60 O homem de aço **
61 A bruxa ***
62 Em nome da lei ***
63 Seven *****
64 Fuga do passado ***
65 Vidas ao vento ****
66 As mil e uma noites - vol.1 ***
67 As mil e uma noites - vol.2 ****
68 As mil e uma noites - vol.3 **
69 A dama dourada **
70 As vantagens de ser invisível ***
71 As invenções de Hugo Cabret ***
72 Jecão, um fofoqueiro do céu ***
73 Anjo do mal ***
74 Prata Palomares ***
75 X men - Apocalipse ***
76 O quarto do filho ***
77 Ponto Zero ***
78 Alemanha no Outono ***
79 O artista e a modelo ***
80 A juventude ***
81 O abismo prateado ***
82 Ganja & Hess **
83 Nise - o coração da loucura ***
84 Berlin Alexanderplatz *****
85 Rosa Luxemburgo ***
86 Um mundo perfeito ****
87 Meia Noite no Jardim do Bem e do Mal ***
88 O Relatório  ***
89 Através das oliveiras ***
90 Dez ***
91 Um alguém apaixonado ***
92 O vento nos leverá ***
93 Gosto de cereja ****
94 O pagador de promessas *****
95 A saga do herói **
96 Kaali **
97 Sesmaria ***
98 Outono celeste ***
99 A outra margem ***
100 Horror ****
101 A rã e Deus **
102 Rapasódia para o Homem Negro ***
103 Sólon ****
104 Hoje **
105 Roleta chinesa ****
106 Sob a Pele de Vênus **
107 Desenredo ***
108 Rubdy ***
109 NesPas Projeter ***
110 Minha felicidade ***
111 Outubro **
112 Garoto ***
113 Ambição em alta voltagem ****
114 O batedor de carteira ****
115 Casamento a três ***
116 John Carter - entre dois mundos **
117 Yella ***
118 Jerichow ****
119 Ralé ***
120 Festim diabólico ****
121 Invocação do mal ***
122 As criaturas atrás das paredes ***
123 Mártires ***
124 Muito riso e muita alegria ***
125 Certo agora, errado antes ***
126 Julieta ***
127 João Bénard da Costa: Outros Amarão as Coisas Que Eu Amei, ***
128 Florence - Quem é Essa Mulher? **
129 As Damas do Bois de Boulogne ****
130 O fantasma apaixonado ***
131 Johnny Guitar ****
132 O território ***
133 Pinga fogo ***
134 A garota do 14 de Julho ****
135 Agnus Dei ****
136 Big Jato ****
137 Mãe só há uma ***
138 Fome ***
139 Moste a língua, moça ***
140 Noites sem dormir ***
141 Minions **
142 35 doses de rum ***
143 Efeitos especiais ***
144 Berlim - Sinfonia da Metrópole ****
145 Oslo, 31 de Agosto ***
146 Nos últimos dias da cidade ***
147 Nahif - amor e liberdade ***
148 O batismo ***
149 Jornada ao oeste ****
150 Nostalgia da luz ****
151 Aquarius *****
152 Star Trek - sem fronteiras **
153 Últimos dias no deserto ***
154 De longe te observo ***
155 Nós duas descendo a escada ***
156 O convite ***
157 Invocação do mal 2 **
158 O chicote e o corpo ***
159 O gaucho ***
160 Pauline na praia ****
161 O silêncio do céu ****
162 The Fall of the House of Usher *
163 Fragmnet of seeking ***
164 Picnic **
165 On the edge ***
166 The Assignation ***
167 The Wormwood Star  ***
168 The Four Elements ***
169 Usher ****
170 Sete homens e um destino ***
171 A colecionadora ****
172 Independence Day: O Ressurgimento *
173 Hana-bi - fogos de arifícios ****
174 O homem irracional ***
175 O ódio ***
176 A terra e a sombra ***
177 Para minha amada morta ***
178 No calor da noite ****
179 Pais e filhos ***
180 O ato de matar ***
181 Condenação ****
182 Canção da Volta ***
183 Cría Cuervos ****
184 Doutor Estranho ***
185 13 minutos ***
186 Cinema Novo ***
187 O homem duplicado ****
188 Os inocentes ****
189 Elle ****
190 Talvez deserto, talvez universo ***
191 Horizonte profundo ***
192 A chegada ****
193 A vida é um canteiro de obras ***
194 Creepy ***
195 Alexandre Nevsky ****
196 Girimunho ***
197 BR 716  ****
198 Noite macabra ***
199 Arsenal ****
200 Hausu ****
201 Star Wars - Rogue One  ****
202 Mens Sana In Corpore Sano ***
203 Audição ****
204 Elis **
205 Sala verde ****
206 Sully ***
207 Sieranevada ***
208 O filho de Saul ****
209 Invasão zumbi **
210 As montanhas se separaram ****
211 O lamento ****
212 Fogo no mar ****
 

 

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Ateísmo, Deus e Ética


                                                                                            Originalmente publicado no Bule Voador


Pintura do francês Alexandre-Louis Leloir - Jacó lutando com o anjo, suplicando sua bênção


Como pessoas ateias agem moralmente se a presença de Deus é irrelevante em seu cotidiano? Antes de acusar o bom teísta de preconceito é possível mostrar-lhe que sua ideia sobre ausência de moral na ausência de Deus está equivocada.
Imagine 02 experimentos mentais, e para cada um deles duas possíveis ações:
  1. Maria é casada e frequenta uma academia. Por motivos irrelevantes aqui, considere que seu marido nunca a acompanha nesta atividade. Um homem solteiro se aproxima dela e começa um diálogo. Passados alguns dias, e outros papos, o homem a convida para sair. Ele sabe, entretanto, que Maria é casada. Ela reforça esse detalhe, e mesmo assim ele insiste.
Ação A: sentindo-se incomodada, Maria decide se afastar do homem e troca de academia.
Ação B: Maria cede e acaba traindo o marido.
  1. João está enfurecido com alguém por uma razão banal: Não conseguiu controla-se pelo simples motivo de ter recentemente conhecido uma pessoa da qual discordou dele de vários aspectos políticos atuais.
Ação A: João consegue esfriar a cabeça ao decidir dar uma volta na quadra.
Ação B: João pega numa arma e mata seu interlocutor.
Nos dois exemplos a ação A seria uma das possíveis esperadas naquilo que a maioria das pessoas considera como moralmente correto. Traição e assassinato por razões fúteis são atitudes normalmente tomadas como desprezíveis.
Faço a pergunta: Nos dois casos, por qual razão seria necessário invocar alguma entidade divina para justificar a ação A em detrimento da ação B. Mesmo assumindo que o teísta consiga parar para pensar nos mandamentos em uma situação de vulnerabilidade emotiva, não é óbvio que a crença na existência em Deus seja condição necessária para ações morais corretas. O que está em causa é o seguinte: Até pode ser o caso de em alguma medida a crença em Deus ser relevante para a tomada de ações éticas, mas não é o caso que a crença na sua inexistência (um ateu) impeça da pessoa decidir pela ação A.
Comumente se insiste que ateus são incapazes de agir moralmente. Isso parece assumir que há uma correlação positiva entre acreditar em Deus e ser uma pessoa ética, ou, nas palavras de muitos, que há uma correlação positiva entre ser um ateu e ser infeliz e imoral. Se isso fosse verdade os países escandinavos (como Suécia, Dinamarca e Finlândia que possuem um número expressivo de pessoas declaradas ateias) estariam sempre no topo da lista dos países mais violentos e mais infelizes. O que se vê é justamente o contrário. Acontece que tomar estes dados e assumir (pelo menos a priori) que pessoas ateias são mais felizes e moralmente mais virtuosas está tão equivocado como assumir que pessoas religiosas são mais propensas a serem mais felizes e mais virtuosas pela mera razão de acreditarem em um Deus. Que o ser humano é um mosaico de complexidade psicológica já deveria ser claro. O que é espantoso é a permanência da ideia  falsa que alega impossibilidade de ações morais para a pessoa ateia.
Para quem não consegue vislumbrar a possibilidade de ações morais sem a presença de Deus está desconhecendo o mínimo de um trabalho filosófico extensamente elaborado ao longo da história intelectual humana. Colocando de outra forma a pergunta do teísta: Como seria possível as ações A dos exemplos supracitados se uma pessoa “não tem Deus no coração”? Bem, existem ao menos quatro teses morais que, embora diferenciadas em detalhes, chegariam no mesmo resultado moral. Destas, só uma assume a existência de Deus. Estas éticas são: a cristã, das virtudes, a deontológica/Kantiana e a utilitarista/consequencialista. Com pouca reflexão é possível defender que as ações A são as mais corretas nestas quatro teses éticas. O que fica logo evidente é que a existência de Deus é um tanto irrelevante (mesmo que ele exista) para que pessoas possam agir moralmente.
Não estou assumindo que todas as pessoas ateias conhecem minimamente as teses morais que prescindem da existência de Deus para funcionarem. Mas estou a dizer que uma das coisas que os filósofos eticistas fazem é tentar encontrar razões que normatizam como as pessoas agem (ou deveriam agir) moralmente, mesmo que muitas vezes elas nem saibam como justificar à luz de teses morais o porquê de escolherem a ação A ao invés da B.

Por fim uma alfinetada inevitável: Paulo de Tarso é muitas vezes apontado como um misógino e homofóbico e alegava que só haveria salvação para aquele que aceitar os dogmas sobrenaturais do cristianismo. É verdade, entretanto, que há outros que dirão o diferente: O que importa são as ações, então um ateu com boas ações poderá ir para o céu. Essa defesa, entretanto, embora mais respeitável que a postura de Tarso, desemboca na mesma independência de Deus comentada acima. Você até pode ser uma pessoa melhor acreditando em Deus, mas disso não se segue que será uma pessoa ruim caso não acredite. Se ao ateu não é garantido a salvação cristã (assumindo que isso seja sequer relevante para ele), então eu diria os cristãos: Seja cético com seu Deus, no mínimo ele não gosta muito de pessoas que são curiosas e questionam a existência de uma entidade que não parece fazer muito esforço para mostrar sua existência óbvia no mundo.

domingo, 6 de novembro de 2016

A orientação sexual parental importa? Um acompanhamento longitudinal de famílias adotivas com crianças em idade escolar


Originalmente traduzido para o blog Bule Voador

 Por quase uma década, a professora de psicologia Rachel H. Farr (Universidade de Kentucky)  tem estudado diferentes aspectos da vida familiar entre heterossexuais, pais gays e lésbicas e seus filhos adotivos. Suas mais recentes descobertas foram publicadas pela revista Developmental Psychology.
Os resultados mais recentes da investigação de Farr fornecem mais apoio que as crianças adotadas por pais gays e lésbicas são bem ajustadas, não só no início da infância, mas ao longo de todo o tempo de desenvolvimento infantil. Seu estudo incidiu sobre um estudo longitudinal (*) de cerca de 100 famílias adotivas com crianças em idade escolar visando acompanhá-las como elas amadureceram desde o início até o meio da infância (**). Como resultado, os pais foram capazes de desempenhar seus papéis parentais e satisfeitos em suas relações de casal ao longo do tempo, sem diferenças por tipo de família.
Segundo a autora, “este é o primeiro estudo que acompanhou crianças adotadas por gays, lésbicas e pais heterossexuais ao longo do tempo a partir do início até o meio da infância (ver nota do tradutor). A pesquisa longitudinal (como esta) oferece insights sobre quais os fatores podem ser os melhores ou mais fortes preditores de desenvolvimento das crianças, para além de informações que podem ser reunidos em apenas um ponto do tempo.” E ainda segue: “Independentemente da orientação sexual dos pais, as crianças (no estudo) tiveram menos problemas de comportamento ao longo do tempo quando seus pais adotivos experimentaram menos stress de parentalidade. Um melhoramento do funcionamento da família quando as crianças estavam em idade escolar foi previsto quanto menor o estresse dos pais e menos problemas de comportamento  quando crianças estavam em idade pré-escolar. Assim, nessas famílias adotivas tão diversas quanto a orientação sexual dos pais, os processos familiares surgem como mais importante do que a estrutura familiar para os resultados da criança e o funcionamento da família.”
A pesquisa da Rachel H. Farr notou que “não há diferenças entre os tipos (heterossexual ou homossexual) de família” em uma  miríade de características como problemas de comportamento, níveis de estresse, relações de casal, funcionalidade familiar, ajustes de relacionamento ao longo do tempo e outros fatores. O autor ressalta também que estes achados, que suportam muitos outros resultados positivos entre famílias adotivas  por mães lésbicas, homossexuais ou heterossexuais, podem ser informativos para o sistema legal e com implicâncias políticas. Isso torna-se relevante no contexto em que, segundo algumas estimativas, pelo menos 65.500 crianças adotadas (equivalente a mais de 4% de todas as crianças adotadas nos Estados Unidos) têm pais compostos por minorias sexuais.

Referências
Livre tradução do ScienceDaily
Artigo Original: Farr, RachelH. Does Parental Sexual Orientation Matter? A Longitudinal Follow-Up of Adoptive Families With School-Age Children. Developmental Psychology, Oct 20 ,2016.
Nota do tradutor: Na literatura científica há várias outros estudos que convergem para resultados semelhantes. Lavner e colaboradores mostraram que filhos de casais gays e lésbicas não mostraram diferenças apreciáveis em testes cognitivos durante um acompanhamento de dois anos. Em outro estudo, foi mostrado que em comparação a uma amostra de pais heterosexuais, os pais gays reportaram comportamento parental similar bem como não houve diferenças no bem estar dos filhos desses casais em comparação aos pais héteros. Há, entretanto, opiniões que fornecem um contraponto com relação a metodologia de alguns dos estudos feitos na área — alegando, portanto –, que em alguns casos mais estudos ainda precisam ser conduzidos.
(*)Estudo longitudinal é um método de pesquisa que visa analisar as variações nas características dos mesmos elementos amostrais (indivíduos, empresas, organizações, etc.) ao longo de um longo período de tempo – frequentemente vários anos (Fonte: Wikipédia).
(**) O estudo foi composto por um acompanhamento de duas “ondas” (wave); uma quando as crianças estavam idade pré-escolar, e outra aproximadamente 5 anos mais tarde, quando as crianças estavam no meio da infância.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Sobre vegetarianismo

Uma estratégia ruim em favor do consumo de carne é sustentar que não há nada de problemático porque comer carne é gostoso. Uma estratégia ruim em favor do vegetarianismo é apelar para o seu interlocutor com um amontoado de fotos de animais brutalmente mortos visando o consumo humano.
Estas estratégias são ruins porque não levam em consideração algo basilar em uma boa argumentação: As premissas devem ser as mais universais possíveis. Enquanto que seria possível engendrar alguma argumentação no primeiro caso, o segundo sequer se preza a isso - já que não passa de um mero apelo emocional (aliás, muito similar ao que alguns contra a interrupção da gravidez fazem ao mostrarem imagens -- muitas vezes falsas --, de fetos humanos). Alegar "porque é gostoso" ou importunar pessoas com fotos desagradáveis não são premissas das mais universais possíveis, e os dois lados de um debate precisam de um esforço maior para não ficarem repetindo ideias intelectualmente preguiçosas.
Outro problema inerente é que parecem estratégias mais para "contabilizar armas" para seu grupo ideológico com intento de buscar agregar pessoas mais pelo grito e contagem numérica como se fosse um exército dogmático, sem se importar muito com a qualidade da argumentação. O que esta duas estratégias não enfrentam é justamente o que está em causa no vegetarianismo, a saber, se é eticamente condenável ou não o consumo de carne.
E o que seria um rascunho de uma boa estratégia em favor do vegetarianismo? Primeiro, como já dito, deve-se começar a investigar a questão moralmente relevante, o que pode ser feito com alguma reflexão sobre perguntas como: Animais não-humanos têm direitos? Em caso positivo, o que isso implica? Ou antes disso: Qual a relevância da questão dos direitos dos animais não-humanos se eles são seres sencientes (com capacidade de sentir dor)? Mas eles são, de fato, entidades sencientes? Mesmo diante de argumentos a favor o consumo de carne, não seria razoável uma atitude ética cautelar favorável ao vegetarianismo?
Para quem tem interesse no assunto são estas algumas das questões que precisam ser refletidas e debatidas. Haverá fraquezas e solidez de ideias ao longo desse processo. Muitas vezes não é fácil, nem é rápido: Pensar exige um pouco de comprometimento. De todo modo, é uma alternativa melhor do que a propaganda fácil e/ou a tentativa de convencimento através da gritaria, imposição ou mentira.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Mulheres na ciência

                                                                                      Originalmente publicado no blog Bule Voador

É lastimável a opinião que considera opções profissionais como sendo uma caixinha "para homens" e outras "para mulheres". E toda iniciativa que tenha algum efeito real de minimizar isso é bem-vinda. É nesse contexto que tem sido comum a consciência que há proporcionalmente menos mulheres do que homens na ciência brasileira. Isso parece ser verdade. Só que também parece ser verdade que nunca esteve tão fácil o acesso das mulheres aos cursos de exatas.
A tese levantada por muitos nem sempre reconhece isso, e vai além: Uma das causas, talvez a principal, é devido a alguma coisa que é alimentada pela cultura. Em alguma extensão tem sido popular a ideia que o sexismo é um dos fatores predominantes que acabam desestimulando mulheres a buscarem carreiras científicas. Embora eu conceda que isso possa ser um dos fatores, eu disputo a ideia que seja o principal.
Há hipóteses competitivas que podem dar conta de responder a discrepância. Uma maneira de responder isso com mais objetividade seria fazer um levantamento de quantas pessoas autodeclaradas mulheres entram em cursos de exatas e após os semestres iniciais desistem ou trocam de curso. Suponho que a troca voluntária de curso e/ou desistência seja mais expressiva entre as mulheres em comparação ao público masculino. Naturalmente isso afetaria a proporção numérica futura entre os sexos na formação acadêmica nas áreas de pesquisa. Possivelmente isso seja consequência mais de preferências biológicas e psicológicas distintas entre os sexos do que coisas como patriarcado e opressão. Por exemplo -- na média da população--, as mulheres tendem a ser mais adversa ao risco, preferem profissões menos competitivas e são emocionalmente mais expressivas.
Há evidências que apontam nesse sentido. Diferenças de personalidade entre homens e mulheres são maiores e mais robustas nas sociedades industriais mais prósperas e avançados como EUA, Canadá e França. Os países com alta expectativa de vida, altos níveis de alfabetização, educação e renda são susceptíveis de ter as maiores diferenças entre os sexos na personalidade. Provavelmente porque a prosperidade e igualdade trazem maiores oportunidades de autorrealização; assim, homens e mulheres têm o poder de ser quem mais realmente são (*). Não parece por acaso, portanto, que alguns dados apontam que há mais mulheres engenheiras na Rússia e na China do que nos países com maior igualdade de gênero. As mulheres americanas e europeias estão entre as pessoas mais educadas, bem informadas, e autodenominadas em toda a história da humanidade. E é plausível a defesa que na Rússia e China há mais mulheres em áreas das exatas muito mais por imposição do que por escolha livre (aí sim a tese do fator cultural parece ser preponderante).
A Noruega, um dos países de maior IDH, continua mostrando tendência para mulheres seguirem carreiras que envolvam mais contato com pessoas (por exemplo, enfermeiras) e os homens carreiras mais solitárias (por exemplo, cientistas) -- e isso vai ao encontro de que estas pessoas encontram um terreno que facilita a manifestação de seus verdadeiros interesses.
Outra linha de evidência (**) sugere que mulheres ao redor do mundo, mesmo em países onde os diferenciais sociopolíticos são grandes e há menor igualdade para a mulher, estão ganhando de homens em ciência e literatura. Em média, alguns dados mostram que os rapazes têm resultados educacionais piores do que meninas ao redor do mundo, independente dos indicadores socais de igualdade.
Portanto não é óbvio que toda diferença por gostos e atividades é derivada da cultura. Embora a cultura possa endossar papéis de gêneros parece que a biologia e a psicologia também desempenham algum papel relevante nisso.
Acredito que uma boa sociedade é aquela definida com elevado nível de satisfação, e não tanto com preocupação insistente em paridade estatística. Se os estudos preliminares estão certos, a igualdade de oportunidades é mais relevante do que igualdade de resultados entre homens e mulheres. É uma questão de respeitar e acomodar as diferenças individuais.
_______
Fontes
(*) http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18712468
(**) https://www.sciencedaily.com/releases/2015/01/150126125015.htm

domingo, 12 de junho de 2016

Entre o Céu e a Terra: Novas Descobertas sobre a Origem da Vida

Publicado Originalmente no blog Bule Voador

No último mês de Maio, duas publicações na revista Science lançam luz sobre algumas das perguntas ainda em aberto sobre a origem da vida no planeta Terra. O curioso, embora não incomum na ciência, é que ambas podem ser entendidas como complementares uma da outra. Um artigo é sobre a detecção de biomoléculas relevantes na nuvem de poeira e gás que circunda o núcleo de um cometa (coma cometária) e o outro explora um mecanismo viável de produção de bases nitrogenadas (componentes do ADN e ARN) em condições plausíveis na Terra primitiva.

No Céu
Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, Agosto de 2015
(Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, Agosto de 2015)

A possibilidade de que moléculas de água e moléculas orgânicas foram trazidos para a Terra primitiva por meio de impactos de objetos como asteroides e cometas têm sido objeto de debate nos últimos anos. É nesse contexto que o instrumento espectrômetro de massas ROSINA da sonda Rosetta foi projetado para estudar o coma cometária do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. Para quem está esquecido, a sonda Rosetta é a “nave mãe” da sonda Philae, o primeiro instrumento a fazer um pouso controlado em um cometa em órbita.
Em outros estudos, o instrumento O ROSINA da sonda Rosetta já havia mostrado uma diferença significativa na composição de água do 67P/Churyumov-Gerasimenko em comparação com a Terra. Dessa vez, a descoberta é o potencial destes objetos cósmicos de entregar outros ingredientes da vida na superfície da Terra.
Mais de 140 moléculas diferentes já formam identificadas no meio interestelar. A despeito disso, os aminoácidos ainda não haviam sido rastreados. No entanto, pistas do aminoácido Glicina, um composto orgânico biologicamente importante e comumente encontrados em proteínas, foram encontrados durante a missão Stardust da NASA que voou pelo cometa Wild 2 em 2004. Contudo, a contaminação terrestre das amostras de poeira coletadas durante a análise não havia sido descartada. Agora, pela primeira vez, detecções repetidas deste aminoácido foram confirmadas pela sonda Rosetta após analisar o a atmosfera do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. Importante destacar que a detecção de aminoácidos em materiais meteoritos caídos na Terra já é bem estabelecida, sendo mais de 80 deles já reportados em condritos carbonáceos.
 A glicina é muito difícil de detectar devido à sua natureza não-reativa: sublima-se a uma temperatura em torno de 150°C, o que significa que pouco é liberado como gás a partir da superfície ou subsuperfície do cometa devido às suas temperaturas frias. Um dos resultados encontrados no estudo foi uma forte correlação entre a presença de glicina e poeira, o que segundo os autores sugere uma liberação da molécula a partir mantos de gelo dos grãos depois de terem aquecido. Ao mesmo tempo, os investigadores também detectaram moléculas de metilamina e etilamina, que são precursores da formação de glicina. Ao contrário de outros aminoácidos, a glicina é a única que foi mostrada ser capaz de formar, sem água no estado líquido. Segundo a autora Kathrin Altweeg “A presença simultânea de metilamina e etilamina, e a correlação entre a poeira e glicina, também indica a forma como a glicina foi formada”.
Outra detecção interessante feita pela ROSINA foi, pela primeira vez em um cometa, a presença de fósforo. Como pode ser visto na Figura 1, é um elemento-chave em todos os organismos vivos e é encontrada no quadro estrutural do ADN e ARN. No total, foram identificados 16 compostos orgânicos, incluindo outras de destaque para o contexto da química prébiótica como o sulfeto de hidrogênio (H2S) e o cianeto de hidrogênio (HCN).
DNA
Figura 1: Esquema da molécula de ARN contendo a base nitrogenada guanina. Um filamento de ARN é formado de um arcabouço de açúcar (ribose) e fosfato com uma base ligada covalentemente na posição 1′ de cada ribose. As ligações açúcar-fosfato são feitas nas posições 5′ e 3′ do açúcar, como no DNA. Dessa forma, uma cadeia de RNA terá uma ponta 5′ e uma ponta 3′. Os nucleotídeos de RNA (chamados ribonucleotídeos) contêm as bases adenina, guanina, citosina e uracila (U). No caso do ADN, a Timina está presente no lugar da uracila.

Na Terra
Da TerraAntes de sistemas auto-replicantes terem aparecidos, a química prebiótica (reações químicas que antecedem a origem da vida) deve primeiro ter dado origem às subunidades que formam a base para os biopolímeros complexos encontrados em todos os organismos modernos – as proteínas e os ácidos nucleicos que especificam suas estruturas. Dentre as hipóteses, uma das mais aceitas atualmente é o “mundo ANR”. Em síntese, propõe que o ARN foi a primeira forma de vida na Terra, com posterior desenvolvimento de uma membrana celular em seu redor e convertendo-se assim na primeira célula procariota.
Entre as evidências que apoiam a hipótese do “mundo ARN” está inclusa a potencialmente da molécula catalisar a sua própria síntese e assim facilitando várias outras reações bioquímicas, além de também possui a capacidade de armazenar informação genética. Uma análise preliminar das possíveis vias de síntese levou a equipe da Ludwig-Maximilians-Universitaet (LMU, Munique) e colaboradores de seu grupo a um esquema de reação – o chamado caminho FaPy ¬ – que poderia ter sido ativado para formar purinas sob condições prebióticas. Duas (Adenina e Guanina) das cinco bases de nucleotídeos que codificam a informação genética armazenada no ARN e ADN são purinas (as demais são as pirimidinas). Elas também fazem parte das moléculas de ATP e GTP, ambas servindo como fonte de energia para as reações bioquímicas e como interruptores moleculares no controle de função de proteínas.
O caminho FaPy começa com a ligação da formamida (amida derivada do ácido fórmico) a aminopirimidinas, anéis que podem ser produzidos por uma série de reações entre moléculas de cianeto de hidrogênio. Isto dá origem a moléculas de formamido-pirimidinas (no inglês, formamidopyridines; daí o uso da sigla FaPy). Uma sequência de passos de reações subsequente converte a formamido-pirimidinas em purinas (adenina e guanina), e vários outros derivados biologicamente importantes. Os autores demonstram que é possível obter cerca de 70% dos produtos da via da FaPy como purinas, sendo a adenosina (formada pela união da adenina e ribose) – uma sub-unidade de ARN importante – representando cerca de 20%. Com o mecanismo FaPy, foi descoberta uma via sintética que fornece os componentes centrais da bioquímica de vida com elevado rendimento e com alta especificidade.

Entre o Céu e a Terra

As moléculas necessárias para o caminho da síntese FaPy estão disponíveis a partir do ácido fórmico e da aminipirimidina, que por sua vez podem ser formadas por compostos detectados através das análises da sonda Roseta. Tomado em conjunto, os dois artigos suportam a ideia de que cometas entregaram moléculas-chave para que a química na Terra primitiva pudesse eventualmente formar a vida como conhecemos. Em especial a detecção de aminoácidos, também suporta outras linhas de pesquisas nas quais têm sido propostas para a formação de peptídeos (formados pela união de dois ou mais aminoácidos) em condições da Terra primitiva, e que inclusive há brasileiros participando.
É verdade que ainda existem lacunas e dúvidas sobre a origem da vida. Mas com cada vez mais os cientistas têm trazidos novidades relevantes e animadoras para melhor entendemos uma parte da velha questão que tanto fascina a humanidade: De onde viemos?
________________________
Artigos científicos:

segunda-feira, 28 de março de 2016

A ética cristã

Originalmente postado no blog Bule Voador


Muitos cristão professam encontrar nos ensinamentos morais de Jesus as respostas para todas as questões morais da vida modera. Desnecessário dizer, Jesus abordou pouquíssimas das preocupações morais da sociedade atual. Por exemplo, ele não disse nada diretamente sobre a moralidade ou imoralidade do aborto, a pena de morte, guerra, escravidão, contracepção, ou discriminação social ou racial. Infelizmente, não é claro o que se pode deduzir sobre estes tópicos a partir de seus ditos ou de sua conduta prática. Sua doutrina de não resistir ao mal sugere que ele seria contra todo tipo de guerra, porém seu comportamento violento contra os cambistas nos templos sugere que ele pode considerar a violência como uma causa santa justificada. Seu dito “ame seu vizinho”, que implica amar seus inimigos, sugere que ele seria contra a pena de morte, porém suas ameaças ao fogo do inferno aos pecadores sugere que às vezes ele possa considerar a morte ou outra punição violenta como apropriada. 


Jesus não faz nenhum pronunciamento explícito sobre questões morais relacionadas ao socialismo, democracia, tirania e pobreza e o que pode-se inferir a partir de algumas coisas que ele diz parece estar em conflito com outras coisas. Considere sua atitude contra a pobreza. Sua defesa de vender tudo e dar aos pobres (Lucas 18:22) pode sugerir que ele se opunha à pobreza e queria eliminá-la. Entretanto, quando uma mulher usou um unguento caro na cabeça — e assim pudendo ser vendidos e dado o dinheiro aos pobres –, ela foi repreendida por discípulos, e Jesus a defendeu dizendo que “você tem sempre os pobres com você” (Mateus 26:11). Ele também parecia defender a pobreza material afirmando que um homem rico não pode entrar no Reino dos Céus (Mateus 9:23-24) e também que os pobres são abençoados e que deles é o reino dos céus (Lucas 6:20). Em alguns casos, o silêncio de Jesus sobre a moralidade de uma prática pode só pode ser interpretada como uma aprovação tácita. Por exemplo, embora a escravidão fosse comum no tempo de Jesus, não há nenhuma evidência de que ele atacou a prática. Como Morton Smith observou (*): 

Havia inúmeros escravos do imperador e do estado romano; o Templo de Jerusalém tinha escravos; o Sumo Sacerdote possuía escravos; todos os ricos e quase todo a classe média possuíam escravos. Tanto quanto nos é dito, Jesus nunca atacou esta prática. Ele entendeu esse estado de coisas como garantida e moldou suas parábolas em conformidade. Como Jesus coloca, o principal problema para o escravo não é para se libertar, mas para ganhar elogios de seu mestre. Parece ter havido revoltas de escravos na Palestina e na Jordânia na juventude de Jesus; e um líder milagroso de uma tal revolta teria atraído um grande número de seguidores. Se Jesus tivesse denunciado a escravidão, deveríamos quase certamente deveríamos ter indícios disso. Nós não temos estes indícios, então a suposição mais provável é que ele não disse nada a respeito. 


Além disso, se Jesus tivesse sido contra a escravidão, é provável que o seus seguidores anteriores teriam seguido seus ensinos. No entanto, Paulo (1 Corínios 7:21,24) e outros escritores cristãos primitivos guiavam os cristãos para continuar a prática de escravidão. Infelizmente, a aparente prática de aprovação tácita da escravidão de Jesus é obscurecida pela versão revisada e autorizada do Novo Testamento de uma tradição grega da palavra “doulos” como “servo” Por exemplo, na Versão Revisada Padrão, Jesus diz que o servo é como seu mestre (Mateus 10:25). Uma tradução mais exata seria que um escravo é como seu mestre.
 _________

 Fonte: Trecho do capítulo Christian Ethics, do livro The Case Against Christianity, escrito por Michael Martin (*)Reirado do “Biblical Arguments for Slavery,” em Free Inquiry 7 (Spring 1987): 30.